Reminiscências – texto

Em 01.02.2017   Arquivado em PESSOAL

(a foto é antiga – e até foi tirada do meu celular – mas tem tudo a ver com o texto de hoje)

 

O texto de hoje foi escrito quando eu tinha 14 anos (quase 15). Ele fala, essencialmente, de renovação.  A mensagem que ele nos passa é esta: Não tema as mudanças. Mudar é natural e nos faz muito bem.

 

 

Aproveite o verão, pois as estações vêm e vão.

 

Não acredito que já é quase março. Adeus, verão. O outono vem vindo.

Ás vezes, me deparo exatamente com essa dificuldade: aceitar que tudo o que começa, um dia, termina. Algo nato, mas incompreensível para muita gente … gente como eu.

Esses dias, no entanto, eu tenho percebido uma mudança dentro de mim: a quebra do meu tabu. Sempre estive acostumada a ser cheia de manias e neuras e, também, a deixar o que eu amo partir, sem qualquer luta. Mas, neste ano, eu decidi que vai ser diferente. Na virada, eu não fiz as tradicionais promessas de ano novo. Eu apenas pensei comigo mesma: preciso ser prática. Minhas atitudes vão mudar. Só depende de mim.

Durante as férias de verão, eu amadureci bastante. Convivi mais comigo mesma. Deixei a rotina de lado e superei um dia de cada vez. E, hoje, eu posso afirmar: as coisas estão mesmo diferentes. Um alguém já não está mais aqui. Além disso, eu conheci novos amigos e fiz algo que nunca pensei que fosse conseguir fazer: dançar.  Sempre fui uma péssima dançarina, mas, para ser sincera, nunca tinha me aventurado a tentar ser uma. Semana que vem tenho, novamente, aula de salsa. Eu estou me arriscando. Estou enxergando novos horizontes e, o mais importante, eu estou sendo mais feliz do que o costume.

Hoje, eu pensei em tantas coisas. Olhei pro passado. Tentei descobrir o futuro. E percebi que, nesse exato momento, é só o meu presente que importa. Preciso viver e realizar, aos poucos, os meus sonhos: música e literatura, aqui vou eu!

Este ano, eu quero que tudo valha a pena. Ora, de nada adianta não se arriscar, de nada adianta não vencer com vontade, de nada adianta fingir não querer o que se quer. De nada adianta titubear. Se temos mesmo que nos decidir, que nos decidamos! Sem medo. Sem hesitar. Sem ser infeliz.  Receios infundados causam o pior dos males existentes: o advérbio condicional “se”. E se você tivesse feito? E se você fosse feliz? E se nada fosse como você pensou? E se desse errado? Mas e se desse certo? E se ? E se? E se?

Tenho certeza absoluta do que eu quero. Eu quero tentar ser feliz, sem arrependimentos. Eu quero ser a metamorfose de todo dia. Eu quero ser sincera – e quero que você também possa ser sincero. Ora, se todos fôssemos sinceros e verdadeiros, existiriam mágoas menores no mundo.

Quero o novo todo dia. Quero, todo dia, um dia novo.

Hoje, eu me revolucionei. Mas e você?

 

  • Váh

    Em 01.02.2017

    Eu também amo o verão e sinto quando ele vai embora 🙁
    Mas temos que aproveitar cada segundo de tudo né?
    Enfim, adorei o texto!!

    http://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

  • Bruna Pezzan

    Em 01.02.2017

    Temos, mesmo! Afinal de contas, a vida está aí para ser vivida, né?
    Vamos viver e ser feliz, sem hesitações ou arrependimentos haha <3

    Fico muito feliz por você ter gostado, Val.
    Obrigada.

    Beijos

  • Débora

    Em 01.02.2017

    Que texto profundo e reflexivo você escreveu. O engraçado é que quando a gente é mais nova o mundo parece ser uma descoberta muito rápida, muito louca e a vida é cheia desses momentos de reflexão. No fundo a vida está sempre cheia de mudanças e descobertas. =)
    Muito legal você ter resgatado esse texto. Imagino que tenha sido até meio nostálgico fazer essa postagem. De qualquer forma foi muito bom poder entrar nos pensamentos da Bruna de 14 ou 15 anos. ^^
    Beijinhos ♥

  • Bruna Pezzan

    Em 01.02.2017

    Ah, que bom que você gostou, Débora.
    Sabe, eu tenho a impressão de que é tão mais fácil a gente se expressar quando é adolescente. Não sei porque. Não sei se o motivo reside no fato do mundo começar a se descortinar nessa época. Apenas sei que a Bruna adolescente tinha muito mais ânimo para dizer o que pensava – ao menos, “poeticamente” – do que a Bruna de hoje. De vez em quando, saíam uns textos legaizinhos.

    Foi muito nostálgico! Está sendo muito nostálgico. hahaha
    Mas eu estou amando cada segundo. É tão bom mexer nos “velhos baús” e redescobrir a si mesma. 🙂

    Fico felicíssima que você tenha gostado, Débora. Sério mesmo! Estou recebendo um feedback muito positivo com esse “mini projeto” e isso é maravilhoso!

    Obrigada por passar aqui.
    Beijos ❤

  • Angélica Moreira

    Em 01.02.2017

    Esse texto resumiu o meu eu desses últimos meses! A cada dia que passa tudo fica um pouco mais diferente, e isso não me assusta mais, me faz bem. A mudança é algo incrível na vida depois que você descobre que não precisa temê-la e pode dizer ‘seja bem-vinda’. Junto vem a vontade de fazer coisas sem sequer pensar no ‘e se..?’. O negócio pra viver é: só vai haha.
    Lindo texto!

  • Bruna Pezzan

    Em 01.02.2017

    Vou te falar uma coisa: posso ter escrito esse textinho com 14 anos, mas era tudo o que eu precisava ler/ouvir essa semana … uma Bruna mais nova dizendo: “ei, não tenha medo de tentar. A vida precisa ser vivida. Pode ser que não dê certo, pode ser que dê. Mudança é algo natural. Aceite!”
    Então, eu entendo você perfeitamente.
    E concordo: para viver, o negócio é “só vai”. Uma frase mais simples (e verdadeira) do que isso, é impossível.

    Obrigada pelo seu comentário! Fico feliz que você tenha gostado.

    Beijão, Angélica ❤