Resenha: A Casa Do Lago (Kate Morton)

Em 04.08.2017   Arquivado em LITERATURA

 

Sinopse:

A casa da família Edevane está pronta para a aguardada festa do solstício de 1933. Alice, uma jovem e promissora escritora, tem ainda mais motivos para comemorar: ela não só criou um desfecho surpreendente para seu primeiro livro, como está secretamente apaixonada. Porém, à meia-noite, enquanto os fogos de artifício iluminam o céu, os Edevanes sofrem uma perda devastadora que os leva a deixar a mansão para sempre.

Setenta anos depois, após um caso problemático, a detetive Sadie Sparrow é obrigada a tirar uma licença e se retira para o chalé do avô na Cornualha. Certo dia, ela se depara com uma casa abandonada rodeada por um bosque e descobre a história de um bebê que desapareceu sem deixar rastros. A investigação fará com que seu caminho se encontre com o de uma famosa escritora policial. Já uma senhora, Alice Edevane trama a vida de forma tão perfeita quanto seus livros, até que a detetive surge para fazer perguntas sobre o seu passado, procurando desencavar uma complexa rede de segredos de que Alice sempre tentou fugir.

Quem já leu os livros anteriores de Morton, sabe que ela é mestre em construir tramas paralelas que, em algum momento da linha temporal, se encontram. Normalmente, a primeira trama acontece no presente, enquanto que a segunda acontece no passado. Isso é marca do estilo da autora. Está presente, via de regra, em todos os seus livros.

A Casa Do Lago – obra mais recente de Morton – não foge dessa constante.

Na história, primeiramente, nós somos apresentados à Sadie Sparrow, uma detetive que, após lidar com um caso particularmente difícil na polícia, é forçada a tirar licença . Com o intuito de aproveitar as suas “férias”, ela se desloca para um pequeno chalé Cornualha, onde o seu avô reside.

Alguns dias após sua chegada ao chalé, Sadie resolve fazer uma corrida pelo arreadores. No percurso, ela acidentalmente esbarra em uma belíssima e desabitada mansão que fica bem no meio da mata. Intrigada com o abandono da propriedade, ela se põe a pesquisar da história da família que costumava viver ali – os Edevane – e acaba por descobrir um terrível acontecimento no ano de 1933: o desaparecimento de um bebê, o caçula da família – o pequeno Theo Edevane. O caso, que abalou a todos, nunca foi resolvido.

A família Edevane, alguns meses após o desaparecimento, decide partir da Cornualha e se mudar para Londres,

Alice Edevane é uma renomada e metódica escritora policial. Embora os seus livros sejam conhecidos e adorados pela qualidade das tramas misteriosas que apresentam, poucas pessoas sabem que a autora, ela mesma, já esteve bem no centro de um devastador e muito real caso de mistério. Aos 16 anos, Alice perdeu o seu irmãozinho. Este desapareceu sem deixar rastros em uma quente e festiva noite de verão.

Setenta anos depois do fatídico acontecimento de 1933, os caminhos de Sadie Sparrow e Alice Edevane irão se cruzar em prol de um objetivo em comum: ambas se determinam a descobrir o que aconteceu durante aquela noite. Afinal, qual foi o destino do pequeno Theo Edevane?

O que eu achei do livro: 

Não estou exagerando quando digo que Kate Morton é assombrosa. Ela, de fato, está entre as minhas escritoras favoritas. Todas as suas obras são bem construídas, com desenvolvimentos impecáveis e finais surpreendentes.

Mestre em traçar tramas paralelas, a autora sempre lança mão do discurso indireto livre (em que  a voz do personagem se mistura com a voz do narrador).  A “tragédia” também marca presença constantemente em seus romances.

Kate Morton discursa sobre a força de nossas ações e o quanto elas podem interferir no futuro. Os segredos de família – verdadeiros protagonistas de sua obra – dão movimento à história. Engana-se quem pensa que existe um vilão determinado e específico.  O papel de antagonista é reservado às convenções sociais. Estas é que cerceiam a liberdade dos personagens, moldando o destino destes e impedindo os finais felizes.

Quanto aos personagens, é desnecessário dizer, mas, mesmo assim, eu digo: eles são muito bem construídos. Possuem credibilidade.  Em geral, são figuras femininas – mulheres incríveis e fortes.

Em “A Casa do Lago“, eu percebi todas as características descritas acima – características essas que também estão presentes nos outros livros, aqueles menos recentes.

Entretanto, confesso que, para mim, essa obra não teve o mesmo esplendor e brilhantismo de suas predecessoras. Não estou dizendo que ela é ruim. Pelo contrário, ela continua sendo excelente. Apenas perde um pouco de seu encanto se comparada a obras como As Horas Distantes, O Jardim Secreto de Eliza ou A Casa das lembranças Perdidas (esta ainda não possui resenha por aqui).

Pareceu a mim que o grande mistério de “A Casa do Lago” foi mais fácil de ser descoberto. Dessa vez, a autora não conseguiu, com tanta eficácia,  esconder a verdade dos olhos mais atentos. As entrelinhas puderam ser lidas com maior tranquilidade.

De qualquer forma, foi uma leitura maravilhosa! Ela me prendeu do início ao fim. Logo, a nota não pode ser outra além de 5/6 – Excelente.

Cabe ressaltar também que, enquanto os romances anteriores de Morton foram publicados pela Rocco Brasil, este romance (A Casa do Lago) foi publicado pela Editora Arqueiro. Gostei bastante dessa novidade, haja vista que a Arqueiro teve um capricho imenso na diagramação do livro. As páginas são amareladas e a capa é lindíssima.

No mais, vale repetir: o livro é muito bom. Vale a pena ler. É claro que vale! Afinal, é da grande Kate Morton que estamos falando.

Nome do livro: A Casa Do Lago;

Autora: Kate Morton;

Editora: Arqueiro;

Páginas: 464.

  • Váh

    Em 04.08.2017

    Você sempre resenha uns livros muito bons, fico morrendo de vontade de ler hehe 😀

    http://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

  • Bruna Pezzan

    Em 04.08.2017

    Val, sério, você devia ler um livro da Kate Morton.
    É maravilhoso. Acho que, mesmo não tendo tanto costume de ler, ia amar!

    Sou meio suspeita porque gosto demais dos livros dela, mas mesmo assim: é muito bom!

    Obrigada por passar por aqui, lindona <3

  • Lua

    Em 04.08.2017

    Menina eu gosto de livros de mistérios que tem toda uma parada pra gente descobrir no final. E fico pensando na engenhosidadedesses escritores de surpreenderam a gente, eles mesmos fazem o mistério, juntam os caquinhos e vc fica mas como? Aí se vc ler o livro mais uma vez percebe coisas q n tinha percebido antes.

  • Bruna Pezzan

    Em 04.08.2017

    aah, eu também adoro livros que envolvem mistério e suspense.

    Os da Kate Morton são ótimos porque, além de esconderem com muita perspicácia a verdade do leitor, fazem uma análise interessante da sociedade e das suas convenções sociais. Vale muito a pena ler!

    Se você curte livros nesse estilo, devia tentar um da autora. Acho que você ia gostar!

    Eu também fico pensando na engenhosidade desses escritores. Acho incrível isso. <3