Resenha: Cinder (Marissa Meyer)

Em 09.10.2017   Arquivado em LITERATURA
Sinopse:

Num mundo dividido entre humanos e ciborgues, “Cinder” é uma cidadã de segunda classe. Com um passado misterioso, esta princesa criada como gata borralheira vive humilhada pela sua madrasta e é considerada culpada pela doença de sua meia-irmã. Mas quando seu caminho se cruza com o do charmoso príncipe Kai, ela acaba se vendo no meio de uma batalha intergaláctica, e de um romance proibido, neste misto de conto de fadas com ficção distópica. Primeiro volume da série As Crônicas Lunares, Cinder une elementos clássicos e ação eletrizante, num universo futurístico primorosamente construído.

Antes de mais nada, cabe ressaltar que a série Crônicas Lunares se passa em um cenário futurista e moderno: carros são substituídos por naves; robôs androides ajudam nos afazeres domésticos e as pessoas possuem chips de identificação e rastreamento.

Cinder vive em Nova Pequim, na Comunidade Das Nações Orientais. Trazida da Europa por seu falecido pai adotivo, a garota tem poucas lembranças do seu passado. Não sabe dizer quando e nem como foi transformada em ciborgue: parte humana e parte máquina.

Cinder odeia o braço e a perna mecânica – motivos de vergonha de para ela. A sociedade também não é muito conveniente com os ciborgues, que são enxergados como aberrações.

Tal como o clássico conto dos irmãos Grimm, neste livro,  Cinder e sua madrasta não se dão bem.  Na vida de Cinder, apenas dois seres ocupam um espaço de carinho e amor: a meia- irmã Peony e a androide chamada Iko.

Quando Peony contrai a peste – uma doença que vem, lentamente, ceifando vidas em todo o mundo –  e é levada para a quarentena, a madrasta joga toda a culpa em Cinder e declara guerra contra ela. Pearl, irmã de Peony e a outra meia-irmã de Cinder, fica do lado da mãe. Ela e Cinder nunca foram amigas.

Como se não bastasse os infortúnios da peste, a Comunidade Das Nações Orientais está a poucos passos de entrar em conflito com Luna e seu povo. Luna é um pequeno e poderoso reinado que se localiza na Lua. A governante, Rainha Levana, é uma mulher cruel e que não mede esforços para ter aquilo que deseja. Para ela, não basta dominar só Luna. Ela também quer ser temida e adorada aqui, na Terra.

Pleiteando uma forma de governar a tudo e a todos, Levana se dirige à Nova Pequim, onde pretende propor casamento ao príncipe Kai. Ela está disposta a qualquer coisa para possuir direito legítimo ao trono terrestre e acredita que nada poderá detê-la …. até Cinder entrar em seu caminho.

O que eu achei do livro:

Eu adorei esse primeiro volume da série Crônicas Lunares. Gosto muito de releituras de contos de fadas e achei que este livro – como uma releitura da Gata Borralheira – foi bem sucedido.

Marissa Meyer fez muito bem em ambientar este clássico em um cenário futurista e moderno. Ela conseguiu dar novos ares  a uma história tão popular e trivial.  A essência de Cinderela foi mantida, enquanto que o desenrolar do enredo se deu de forma inédita e criativa.

Cinder é uma heroína adorável. Forte e destemida,  ela tem personalidade. O mesmo pode ser dito de Levana, uma vilã cruel, bem delineada e, por isso mesmo, interessantíssima.

Kai é também um bom protótipo de mocinho. O romance que surge entre ele e Cinder é fofo e digno de um conto de fadas.

Por esses motivos, posso afirmar que me encantei com a série Crônicas Lunares.  Ela apresenta um enredo despretensioso e é uma ótima leitura para aqueles que gostam do gênero fantasia.

O único ponto negativo, para mim, foi a diagramação  e o acabamento de capa e lombada do livro. A editora Rocco deixa muito a desejar. Os dois volumes que comprei da série (Cinder e o volume seguinte, Scarlet) possuem alguns problemas: erros gráficos, amassados nas folhas e vincos na lombada. O meu volume de Scarlet está ainda pior: depois de poucos dias de manuseio, o livro descolou completamente da lombada. Péssimo! Estou tentando encontrar uma encadernadora aqui na minha cidade que possa consertar.

Apesar disso tudo,  Cinder funciona bem. Por isso, a nota que dou para o livro é 4/6 – Bom.

Nome do livro: Cinder,

Autora: Marissa Meyer;

Editora: Rocco;

Páginas: 448.

  • Váh

    Em 09.10.2017

    Que chato isso do livro descolar 🙁
    Acho que eles deveriam caprichar mais.
    Mas pelo menos a história é legal e você curtiu né, menos mal.

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

  • Bruna Pezzan

    Em 09.10.2017

    verdade!
    A Rocco só precisava melhorar a qualidade dos livros, mesmo 🙂