Resenha: Eleanor & Park (Rainbow Rowell)

Em 15.03.2017   Arquivado em LITERATURA

Sinopse:

Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.

Li Eleanor & Park ano passado. Ele se tornou um dos meus livros preferidos da vida!

Sabe aquele livro que surpreende completamente? Que faz você virar, de forma frenética, página por página? Que encanta? Pois é.  Eleanor & Park é exatamente esse tipo de livro.

Sobre os personagens e a história:

Eleanor é uma garota sonhadora, inteligente e ingênua. Gordinha, ela tem cabelos armados, cheios de cachos de um ruivo intenso. Possui um jeito único de se vestir: roupas largas, velhas e masculinas. E ela não faz isso apenas por uma questão de estilo, mas também porque não tem grana para comprar roupas melhores. Mora em um casebre minúsculo com a mãe, os irmãos e com o padrasto abusivo – e tenta levar a vida como pode.

Park é um bonito garoto de descendência coreana. Não é popular, mas também não é o esquisitão da turma. Ele, simplesmente, gosta de ficar na sua, lendo seus gibis e ouvindo seu punk rock.

De início, ele não vai com a cara de Eleanor, quando esta entra, pela primeira vez, no ônibus da escola. Mas, também, ninguém vai com a cara dela. Com os cabelos armados super ruivos e as roupas largas e masculinas, ela é  a visão mais estranha e desengonçada que todos já viram.

Mas existe algo em Eleanor. Alguma coisa. Um quê que a faz ser diferente de todas as outras garotas – ao menos para Park. E, de forma bastante inusitada, os dois se apaixonam. Mas Park não sabe lidar com a complicada vida de Eleanor:  rejeitada pelos colegas, descuidada pela mãe (que, oras, é também descuidada dela mesma) e maltratada pelo padrasto, nada para a garota é  fácil.

E é nesse turbulento contexto em que eles vão descobrir a ingenuidade do primeiro amor, as agruras da vida e a intensidade de um coração partido.

O que eu achei do livro:

Antes de mais nada, só posso dizer que eu me apaixonei, perdidamente, por  Eleanor & Park.  Li sem parar. Em casa, na faculdade (nem essa ficou à salvo!), no carro e na manicure. Eu não conseguia largar o livro sem antes termina-lo. Existe algo de viciante nele. A história é incrível, engraçada e, ao mesmo tempo, triste.

 A excelência do estilo de narrativa de Rainbow Rowell – sutil, doce e cheia de referências pop-  me deixou sem fôlego.

Eleanor & Park é encantadorNa minha opinião, ele é a obra – prima da Rowell.  Vale à pena ler e e reler muitas vezes.

 

Nota: 6/6

Nome: Eleanor&Park;

Autora: Rainbow Rowell;

Editora: Novo século;

Páginas: 328 pág.