Resenha: O Jardim Secreto de Eliza (Kate Morton)

Em 13.04.2017   Arquivado em LITERATURA

Sinopse:

“Em 1913, um navio chega à Austrália direto de Londres, trazendo com ele uma menina de quatro anos, absolutamente sozinha, sem um acompanhante adulto sequer. Com ela, apenas uma pequena mala com um livro de contos de fadas. O mistério de quem era a bela garota, que dizia não lembrar seu nome, e de como chegou ao porto, jamais foi desvendado. Em suas memórias ela trazia apenas a imagem de uma mulher que ela chamava de a dama ou a Autora e que dizia que viria buscá-la.
Muitos anos depois, em 2005, na cidade australiana de Brisbane, a doce e reservada Cassandra herda de sua avó Nell uma casa na Inglaterra. Surpresa, ela descobre que a casa esconde as origens de sua avó –  que foi uma vez a bela menina sem nome perdida no porto.
A autora, Eliza Makepeace, uma travessa menina contadora de histórias que tinha sua própria cota de tragédias para viver na Inglaterra da virada do século XIX para o XX. Seria Eliza mãe de Nell? E por que ela a abandonou? Agora, é a vez de Cassandra revirar a pequena mala de segredos da avó e saber o que Nell conseguiu descobrir, se é que ela obteve sucesso em sua busca.”

O Jardim Secreto de Eliza foi  a primeira obra que eu li de Kate Morton.  Até então, nunca tinha ouvido falar da escritora. E mal eu sabia o quanto estava perdendo com isso!

Admito que, em épocas de livros comerciais e de pouca originalidade, conhecer escritoras como Morton é um bálsamo para a alma. Ao fim da leitura de O Jardim Secreto de Eliza, eu estava  de queixo caído. Há muito eu não lia uma obra tão capaz de, verdadeiramente, me surpreender.

A partir deste livro, eu me apaixonei pela literatura de Morton. E confesso: já fiz um estoque das obras dela aqui em casa. Acabou de chegar, pela Saraiva, mais três volumes publicados pela escritora.

Em O Jardim Secreto de Eliza, nós acompanhamos a trajetória de três personagens femininas: Eliza, Nell e Cassandra.  Todas elas são mulheres fortes e com demônios a lidar.

Eliza, também chamada de “A autora”, teve uma infância difícil. Perdeu a mãe muito nova e teve que trabalhar desde cedo para sustentar a si e ao irmão gêmeo. Sobrevivendo em um cenário pouco amistoso – a fria Inglaterra do séc. XIX – Eliza tecia, em sua imaginação, um mundo (no mínimo) mais interessante e mais mágico do que o real.  Não é à toa que, quando cresceu, ela foi denominada de “A Autora”. Se tinha algo que Eliza sabia fazer era inventar e contar histórias. E ela era muito boa nisso.

 Nell vê o mundo cair quando seu pai revela que ela não é sua filha verdadeira. Há muito tempo, a menina foi deixada num porto australiano com apenas uma mala de couro que, por sua vez, continha um único livro de conto da fadas.  Quando perguntaram quem ela era, a garota disse não saber. Na verdade, a única lembrança que possuía era de uma bonita mulher, a quem chamava de “Autora”.

Cassandra, a neta de Nell, é uma mulher angustiada. No passado, ela passou por uma triste experiência que deixou algumas cicatrizes. Quando a sua avó morre, Cassandra recebe de herança um chalé campestre na Inglaterra. Perplexa ao saber que a avó tinha um imóvel tão longe de casa (elas moravam juntas em Brisbane, Austrália), a jovem  decide partir para Londres e, assim,  refazer os passos da avó e descobrir as origens desta.

Morton, dessa forma, vai tecendo três histórias paralelas: a história de Eliza, na Inglaterra Vitoriana e Edwardiana, a história de Nell, em 1913,  e a de Cassandra, nos anos 2000.   E é claro que essas histórias, ainda que diversas e distantes, irão se encontrar em algum momento na linha do tempo.

 ” O jardim secreto de Eliza, conta Kate Morton, foi inspirado em uma história de família: quando tinha 21 anos, sua avó soube que não era filha biológica de seu suposto pai. Ela foi tão profundamente afetada por essa notícia que jamais contou isso a ninguém até chegar à velhice, quando revelou tudo para as três filhas. A escritora prometeu criar uma história inspirada no caso da avó.”

O que eu achei do livro:

Sem a menor dúvida, O Jardim Secreto de Eliza foi um dos melhores livros que li  nos últimos tempos. A narrativa de Morton é fluída, rica em detalhes e  cheia de simbolismos.

 

O livro trata de assuntos densos.  Entre eles, está a busca da identidade. 

É preciso dar o crédito à Kate. Ela conseguiu, de fato,  interligar  três histórias que se passam em linhas temporais muito distintas. E o fez espantosamente bem! Nas palavras de qualquer outro escritor,  essa façanha poderia dar lugar ao desastre – a narrativa poderia ficar confusa e embaçada. Mas, felizmente, não foi isso o que aconteceu. A história manteve a clareza necessária e se tornou ainda mais interessante.

Podemos dizer que esta obra de Morton mistura romance, magia e mistério. Sem a menor dúvida, nas entrelinhas  do livro, existe uma intensa análise da natureza humana.  A magia, por outro lado, está presente especialmente em dois momentos: quando a narrativa se volta para os contos de fada de Eliza ou quando ela se volta para o maravilhoso jardim secreto da personagem.   Há passagens sombrias e há passagens mágicas. Simples assim. 

 

A personagem que mais me chamou a atenção foi Eliza. Ela é complexa, independente e vanguardista. Tem uma personalidade muito forte. Consegui me identificar.

 

Por todas as razões apontadas, Kate Morton passou a ocupar um lugar de destaque nos meus interesses literários. Já existem mais três livros dela na prateleira. E eu não vejo a hora de lê-los.

Nota:  5/6 – excelente. 

Nome do livro: O Jardim Secreto de Eliza;

Autora: Kate Morton;

Editora: Rocco;

Páginas: 560.

  • Váh

    Em 13.04.2017

    A música do document your life é do Yellowcard – A Place We Set Afire, é linda <3
    Fico bem feliz que você gosta dos meus Document your life ou Thanks for the Memories e super acho que você deveria fazer também hehe!
    Dá trabalho, mas é gostoso de fazer sabe? Eu gosto 🙂
    Sobre seu post, super fiquei com vontade de ler esse livro, porque eu adoro histórias que são cheias de detalhes e simbolismos.
    Gostei da sua resenha 🙂

    http://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

  • Bruna Pezzan

    Em 13.04.2017

    Amei a música <3 já até baixei aqui no Spotify.

    Ah, dá preguiça por causa do trabalho, mas tenho certeza de que vale à pena! Vou fazer sim.

    Eu acho que você devia ler o livro, Val. É muito bom, de verdade.

    Obrigada por passar aqui, linda!
    Beijinho ❤