Resenha: Lembrança (série A mediadora – Meg Cabot)

Em 18.07.2016   Arquivado em LITERATURA

E eu, finalmente, pude ler o novo e sétimo livro da série A mediadora, chamado “Lembrança”. Já vou antecipar que eu, fora um detalhe aqui e outro ali, gostei  bastante do livro. Além disso, eu espero que a Meg Cabot escreva mais histórias para a série!

Neste livro, a personagem principal, Suzannah Simon,  tem 24 anos e é uma recém-formada. Ela está fazendo estágio na academia da Missão, porque deseja trabalhar como conselheira estudantil (isso é muito comum nos EUA; no Brasil, nem tanto). Para ela, a função de  conselheira é a que  mais combina com a de Mediadora. Em ambos os casos, ela estará ajudando pessoas a resolverem seus problemas e seguirem em frente.

Suze também está noiva de Jesse. Este conseguiu se formar em medicina e está fazendo residência. Os dois planejam se casar assim que Jesse conseguir uma bolsa-auxílio para que possa abrir seu próprio consultório de pediatria.

A vida de Suze, portanto, vai bem. E o seu relacionamento com o ex-fantasma também está ótimo, a não ser por um único detalhe: a relação entre ambos é mais casta do que Suze gostaria. Jesse se recusa a fazer sexo com ela até que ambos se casem.  E é claro que Suze, feminista e não muito religiosa, não está aceitando isso muito bem.

O primeiro dilema de Suze, no livro, começa quando Paul Slater (um “mais inimigo do que amigo” do passado) manda um e-mail para ela, chantageando-a.  Paul está mais rico do que nunca, pois agora é chefe das empresas Slater. No e-mail, ele comunica a Suze que comprou o antigo casarão dela (aquele em que ela conheceu Jesse!) e que pretende demolir o prédio para construir várias casas familiares de tamanho moderado.

O único problema é que existe uma antiga maldição que pode transformar Jesse em um demônio, caso a casa, seu antigo local de descanso, seja demolida. A maldição determina que se um morto reviver, ele se transformará em demônio e matará todos os seus entes queridos, quando o  antigo local de descanso de sua alma for destruído.

Por isso, em razão dessa maldição, Paul faz uma proposta bastante indecente a Suze: se ela for para cama com ele, a casa não será demolida. Paul pede a Suze a chance de fazer com que ela goste dele.

Suzannah não deseja atender ao pedido de Paul, mas também não sabe como conversar com Jesse sobre a existência de tal maldição. Afinal, para isso ela teria que contar a ele sobre a proposta de Paul (e também sobre algo que este fez no baile de formatura do ensino médio). Com medo de que Jesse tenha atitudes extremamente ciumentas / violentas contra Paul, ela se omite (típico da Suzannah).

Como se não bastasse isso, Suzannah tem que lidar com o fantasma, extremamente forte, de uma garota de 6 anos que pode ter sido, possivelmente, assassinada (o segundo dilema da história). Nesse livro, nós percebemos que Meg tenta dar um “tom” mais adulto à série de livros, haja vista que os motivos para a morte da menina são “pesados”.

Em “Lembranças”,  nós também reencontramos  todos os personagens dos livros anteriores. Ficamos sabendo “a quantas” anda a vida de cada um. Essas partes, para mim, foram as mais divertidas e interessantes.

Sem dúvida, a Suzannah está mais madura nesse livro, como era de se esperar, já que ela, agora, tem 24 anos. Porém, a essência da personagem continua a mesma… ela ainda é uma garota durona que não leva “desaforos” para casa.

Por mais incrível que pareça, eu passei a gostar um pouco mais do Paul nesse livro. Se vocês já leram a resenha que eu fiz aqui sobre os seis livros anteriores da série, sabem que o meu relacionamento com o Paul nunca foi estável (tinha momentos em que eu gostava dele e momentos em que o detestava). Mas, nesse livro, não sei o porquê, passei a gostar mais dele. Talvez seja porque eu conheci mais sobre ele e as suas fraquezas ou porque o “brilho” do Jesse se apagou um pouquinho.

Bem, houve alguns detalhes que eu não gostei muito na história. Achei algumas atitudes do Jesse bastante despropositadas e machistas. Por outro lado, acho que a parte da “mitologia” acerca da mediação poderia  ter sido melhor explorada para ter mais credibilidade.

Mas, no geral, eu gostei do livro. É bem perceptível que a Meg, ao final da história, deixou um gancho para outros possíveis livros. Até agora, não ouvi nada a respeito de ela planejar escrever mais livros. Mas, eu espero que ela escreva. Adoraria que ela escrevesse algo focando um pouco mais em Paul, seu irmão Jack e seu falecido avó (todos os três mediadores). Seria muito interessante.

De qualquer forma, como não há nada confirmado quanto a outros livros, eu me despedi de “Lembranças” com um pouco de tristeza. Foi bom rever Suzannah, seus meio – irmãos, Jesse, o padre Dominic, Gina, Cece, Adam…  e, até mesmo, Paul. E foi bom, também, conhecer os novos personagens, como as sobrinhas trigêmeas da Suze.  Espero poder rever a todos, ao menos, mais uma vez!

Gostaria de lembrá-los de que a série “A mediadora” é uma série direcionada ao entretenimento. Não existem questões muito profundas. Mas, por outro lado, as histórias são, sem dúvida, interessantes e divertidas. A narrativa de Meg Cabot é inovadora e viciante !!!!

Nota: 4/6 – Bom

 E, aí? Gostaram da resenha? Conta tudo 📖 💋