Resenha: A Garota do Penhasco (Lucinda Riley)

Em 01.05.2017   Arquivado em LITERATURA

 

Sinopse: 

“A Garota do Penhasco’ é um romance que enreda o leitor através de vários fios. A história de Grania Ryan e sua querida Aurora Devonshire, a garota do penhasco, nos fala sobre mudança de vida.
A história das famílias Ryan e Lisle é um lindo conto sobre um século de mal-entendidos e rancor entre inimigos que se acreditam enganados por falcatruas financeiras.
O caso de amor entre Grania Ryan e Lawrence Lisle comove por sua delicadeza e força vertiginosa que culmina em imensa tristeza (FRASE COM ERRO! – OLHE O FINAL DA RESENHA)
Mas, sobretudo, ‘A Garota do Penhasco’ é um livro que mostra como é possível encontrar uma finalidade, um propósito, quando todas as esperanças parecem perdidas.”

Sobre o enredo:

No livro,  a irlandesa Grania Ryan – uma famosa artista plástica que vive em NY – acaba de sofrer um aborto espontâneo. Triste com a perda do filho e com a situação de seu relacionamento com Matt (o seu namorado), ela resolve voltar para a casa dos pais, em Dunworley, Irlanda.

Certo dia, passeando pela baía de Dunworley, Grania avista uma menina sonâmbula prestes a cair do penhasco – a pequena Aurora Devonshire.

De rebeldes e longos cabelos ruivos, Aurora também não teve uma vida plenamente feliz. Aos 4 anos, viu a mãe, Lily Lisle, se suicidar – quando esta se jogou do alto do penhasco. Desde então, a menina vai  frequentemente a esse mesmo penhasco, durante à noite, em episódios de sonambulismo.

Logo, as vidas de Grania e Aurora acabam por se interligar. De uma maneira fácil e muito espontânea. O que ambas não sabem é que, talvez, essa ligação não seja ao acaso. Ela é antiga e quase proposital. As famílias das duas possuem, juntas, uma história que já remonta a séculos. Essa história é cheia de enganos, embustes e desencontros. Mas, o mais importante, é uma história permeada de amor. Amor de uma mãe por uma filha. Amor de uma esposa pelo seu marido. Amor de uma família pelos seus entes queridos.

Em suma, A Garota do Penhasco vai tratar sobre este mesmo assunto (sobre o qual muitos poetas, contistas, escritores e musicistas já se debruçaram): o amor. Mas vai fazê-lo de uma forma ora diáfana (bem como acontece nos contos de fadas), ora real.

A autora deixa bem claro, em alguns momentos da narrativa, a sua crença religiosa (que me pareceu ser o espiritismo). Mas isso, na minha opinião, não atrapalha em nada a leitura – nem mesmo para aqueles que seguem outra religião. De certa forma, achei que o livro teve mais sentido e ficou ainda mais interessante a partir dessa perspectiva.

No livro, somos apresentados aos antepassados da família Ryan e Lisle. A narrativa desloca-se para a Irlanda e  a Inglaterra  da Primeira Guerra Mundial – onde conhecemos a empregada Mary (bisavó de Grania) e a pequena Anna (que, em muito, lembra Aurora).  Nesse sentido, podemos dizer que o livro é um romance histórico. E não é para menos: Lucinda Riley é apaixonada por história e essa paixão lhe deu a inspiração necessária para escrever a maioria dos seus romances.

O que eu achei do livro: 

A Garota do penhasco foi um livro que me surpreendeu muito positivamente. Eu esperava muito menos. E ganhei muito mais.

A verdade é que achei esta leitura tremendamente envolvente.  Eu me conectei aos personagens. Achei – os verossímeis e com profundidade. A mensagem que o livro traz é também muito bonita: esperança e amor. O amor não resolve todos os problemas, mas ele os torna mais suportáveis.

Ás vezes, tudo o que precisamos na vida é nos encontrar. Buscar a nossa própria identidade. Decifrar a nossa própria confusão interna. E é exatamente isso que Grania faz, quando decide sair de NY e buscar aconchego na casa dos pais, na Irlanda.

O livro também questiona bastante essa coisa chamada “acaso”, “destino” e “carma”. E, repito, o livro se torna muito mais claro quando o analisamos por meio de uma perspectiva religiosa (o espiritismo).

Em suma, achei esta uma leitura maravilhosa. No início, podem surgir algumas estranhezas com a narrativa. Eu confesso que fiquei muito incomodada, à princípio, com a quantidade de vezes que a palavra “querido(a)” foi utilizada. Era “querida” pra lá,  e “querido” para cá.  Chegou a me incomodar, sinceramente. Não sei se este foi um problema de tradução ou se a autora realmente usou esta palavra de forma exaustiva. Porém, conforme a história ia se desenvolvendo, eu parei de me preocupar com este detalhe.

Não posso dizer que Lucinda Riley foi completamente original ao escrever esta história. Existe originalidade, mas eu percebi alguns clichês.

A Editora Novo Conceito também foi muito desatenciosa com a sinopse impressa na parte de trás do livro. Houve um erro nesta frase  “O caso de amor entre Grania Ryan e Lawrence Lisle comove por sua delicadeza (…)”. Não existe nenhum caso de amor entre Grania e Lawrence, até mesmo porque este já havia morrido há mais de 50 anos quando a personagem nasceu.  Compreendo, portanto, que a Editora cometeu uma gafe nesse sentido.

Apesar destas falhas, a história me foi muito satisfatória. Eu me senti envolvida e tive aquele gostinho de “quero mais” assim que terminei a leitura.

Por isso mesmo, a nota que dou ao livro é 5/6 – excelente.

Para aqueles que gostam desse tipo de literatura, com certeza vale à pena ler.

Nome: A Garota do Penhasco;

Autora: Lucinda Riley;

Editora: Novo Conceito;

Páginas:  528 pág.

 

 

O que eu achei do live – action de “A Bela e a Fera”

Em 17.03.2017   Arquivado em CINEMA

Ontem eu assisti ao filme mais esperado de 2017: A Bela e a Fera.  E, sim, eu saí do cinema ainda mais apaixonada por esse clássico maravilhoso que marcou a minha infância.

Não é segredo nenhum que Belle sempre foi a minha princesa favorita da Disney. Destemida, sonhadora e leitora voraz, Belle é um reflexo de mim mesma. Eu me identifico demais com ela – e não apenas na personalidade, mas também na aparência física. Cabelos ondulados e castanhos? É … nós também temos isso em comum.

Por esses  (e por muitos outros) motivos, eu estava ansiosíssima para a estréia de The Beauty And The Beast. Queria muito ver a Emma Watson (minha eterna Hermione) dando vida a essa personagem tão querida – a Belle.

O roteiro do filme foi bem escrito e os atores muito bem cotados. Acho que a Emma conseguiu, definitivamente, entrar na pele de Belle. Dan Stevens também interpretou maravilhosamente a Fera (the beast). E nem preciso dizer quão bem Luke Evans conseguiu encarar toda a vaidade e a crueldade do Gaston, certo? A escolha dos atores foi acertada. Portanto, ponto positivo para o longa!

Precisamos falar sobre as canções do filme. Estavam maravilhosas! Como não se apaixonar por canções como Belle Reprise ( “I want much more than this provincial life”) ou  Tale as Old as Time (“Beraly even friends, then somebody bends unexpectaly”)?!

O figurino dos personagens estava de tirar o fôlego. O cenário foi extremamente bem caracterizado também.

No geral, o live action segue o itinerário do clássico produzido em 1991. Muitas cenas do live action estão idênticas às do desenho da Disney. Existe uma grande sintonia entre as duas produções. Você, com certeza, vai sair da sala de cinema com sentimentos nostálgicos (veja mais sobre isso aqui).

Se por um lado o longa de 2017 é fiel ao de 1991, por outro é possível afirmar que não houve muitas surpresas ou inovações. E isso, ao menos para alguns, pode ser considerado como um ponto negativo.

Gostei muito da representatividade que o filme trouxe para as minorias. É claro que um filme com Emma Watson no papel principal teria um apelo feminista. Na verdade, se você parar para pensar, o desenho de 1991 já era bastante feminista para a época (eu falo sobre isso aqui). Porém, eu adorei a forma como o live action intensificou isso.

O filme, na medida em que introduz um personagem gay (o LeFou), também representa os homossexuais.

Em suma,  eu amei esse novo filme. Ele mistura romance, animação e aventura, além de ter uma “moral da história” pra lá de importante.  Valeu à pena esperar. Pura e simplesmente.

E vocês? Já assistiram ao filme? O que acharam? Conta tudo! <3

 

 

5 filmes que se passam no natal

Em 19.12.2016   Arquivado em CINEMA, LISTINHAS

Se existe um período do ano em que eu me sinto mais leve e feliz, é o natal.  Acho o clima natalino a coisa mais gostosa do mundo: as luzes,  os lindos enfeites, o cheiro de panetone e a comunhão familiar tornam tudo muito mais mágico.

Natal, para mim, é sinônimo de esperança, renovação e solidariedade. É um apelo de ajuda ao próximo.

É a época do ano em que caímos mais em nós mesmos. Nos colocamos a pensar a vida e separamos aquilo que é frivolidade daquilo que é necessário. Em suma, o natal é a preparação para o ano novo, um ano que só será novo se o deixarmos ser.

Pensando em todo esse encanto e magia natalina, eu vim aqui hoje com intuito de fazer um post duplo e trazer para vocês duas coisas que eu adoro fazer nessa época do ano: assistir filmes e ouvir músicas que tenham tudo a ver com o natal.

Nesse post, vou indicar cinco filmes de natal e no  outro post (o que está abaixo) vai ter playlist natalina. Então, vem! 🎁🎄🎅

1 – Milagre na Rua 34

 

Esse filme é um clássico do natal. Prefiro essa versão de 1994 (remake do original de 1947), com a Mara Wilson – minha eterna Matilda – no papel da protagonista.

No filme, Susan (Mara Wilson) não acredita que o papai Noel existe. Até que um doce velhinho, contratado para trabalhar na loja de sua mãe,  faz de tudo para provar à garota o contrário.

É um filme fofíssimo que traduz todos os bons sentimentos natalinos.

2 –  Pode me chamar de Noel

Este filme, assim como o primeiro, trabalha com a ideia do verdadeiro papai Noel. O diferencial é que ele traz a Whoopi Goldberg – essa atriz maravilhosa – no papel principal.

Se o filme tem a Whoopi, meu caro, vale a pena assistir. Pode confiar! ✨

3 –  O príncipe e eu

Se você curte contos de fada, vai gostar desse filme.  Aqui,  a doce protagonista Jules, uma plebeia,  se apaixona por um nobre que ostenta um título de príncipe.

A fórmula, portanto, é a mesma dos contos de fada. Entretanto, ainda que o filme seja clichê, ele é divertido e fala sobre a magia do natal. É uma ótima história para você se entreter e se distrair.

Diferencial: possui Sam Heughan – meu eterno James Fraser, de Outlander –  no papel do “príncipe” Ashton. Precisa falar mais? Acho que não, haha.

4 –  O amor Não Tira Férias

É o melhor romance natalino do mundo. Temos duas protagonistas  que estão infelizes e desiludidas com suas vidas – Iris (Kate Winslet) e Amanda (Cameron Diaz). Em um momento de desespero e anseio por mudanças, as duas combinam pela internet de fazer um intercâmbio. Iris irá passar as festas de fim de ano em Los Angeles,  na casa de Amanda, enquanto esta irá a Londres para ficar na casa de Iris.

Se as duas queriam mudanças, estas não faltaram. Iris conhece um músico, Milo (Jack Black), e Amanda se envolve com Graham (Jude Law), o irmão de Iris.

O filme é lindo e, na minha opinião, inteligente no que concerne à relacionamentos. Não é um filme clichê ou irreal.  Pelo contrário, a história é palpável e bastante divertida.

Enfim, vale muitíssimo a pena ver!

5 – Mensagem para você

É um dos meus romances preferidos. Primeiro porque a Meg Ryan – uma das atrizes que mais amo no mundo – contracena com Tom Hanks – meu boy magia dos anos 80.

Meg e Tom é aquele tipo de casal que sempre dá certo quando contracena junto. Não é por acaso que eles atuaram como par romântico em outros filmes (Sintonia do amor, Joe contra o vulcão e Ithaca). A questão é que os dois têm uma química incrível. Por isso, ver filmes com esse casal é sempre uma boa experiência para quem gosta de comédias românticas, assim como eu.

Esse filme não fala propriamente de natal, mas se passa nas festividades de fim de ano. Ele retrata o começo da era digital, quando o e-mail ainda era uma novidade.

A protagonista, Kathleen,  é dona de uma pequena e aconchegante livraria que está falindo, em razão de uma grande companhia de livros ter se mudado para o seu bairro. O que ela não sabe é que o homem com quem ela vem se correspondendo por e-mail (e por quem pode estar começando a se apaixonar), um tal de NY152, é o proprietário da companhia e, portanto, o seu rival nos negócios.

Mensagem para você é um filme divertidíssimo. Com certeza, vou revê-lo essa semana.  💙✨

 

BÔNUS:

Além dos cinco filmes, indico dois desenhos para vocês assistirem nessa semana do natal.

6 – Anastasia

Eu assistir à Anastasia no dia 24 ou 25 de dezembro virou tradição. Não sei muito bem o porquê disso, mas acredito que tenha a ver com o fato de a Globo reprisar com frequência o desenho nesta época do ano.

Eu sei que a história real da família Romanov não tem muita relação com a história desse filme. Aliás, existe uma divergência imensa entre elas.  Mas mesmo assim, não me canso de assistir a esse filminho. Marcou muito minha infância e, depois de A Bela e a Fera, é o meu filme de princesa predileto. Não me canso de cantar “Foi no mês de dezeeeembro”. 

Sabia que este é um dos poucos desenhos com princesas feministas? Ah, me conta, existem muitos filmes por aí em que a donzela salva o “cavalheiro”? Acho que não. Com exceção de A Bela e a Fera e Anastasia, não conheço nenhum outro.

Portanto, amo e indico Anastasia. E é óbvio que dia 24, lá estarei eu, assistindo a esse desenho incrível e  cantando “foi no mês de dezembro”. Isso aí. haha

7 –  O estranho mundo de Jack

Quem duvida que esse seria o natal mais assombroso de todos? Eu é que não duvido. Essa animação é incrível. Aliás, como poderia não ser, tendo a mente geniosa do Tim Burton como diretor ?

Saudades de Sally e Jack. Preciso rever esse filme urgentemente!

 

Gostaram da listinha natalina? Conta tudo 💋

 

 

Página 1 de 212